terça-feira, 29 de julho de 2014

Para minha avó.



A foto foi tirada no jardim da casa da minha avó Lauri.
Por isso presto essa singela homenagem à ela.

terça-feira, 8 de julho de 2014

*****





Foi-se
Foi-se o sonho do hexa. O sonho de 200 milhões acabou. E agora?
Acabou o sonho, mas não acabou a esperança e a dignidade de um povo que há muito sofre pelas mazelas as quais são submetidos no seu dia a dia, mas que em nenhum momento perde o sorriso do rosto.
O futebol, que muitas vezes é a única alegria de parte do povo, nos derrubou hoje.
Mas se não mostramos ao mundo o melhor futebol, o chamado "futebol arte", mostramos a arte do povo brasileiro. O mundo viu em poucos dias o que nós já conhecemos há tempos. Mostramos que somos capazes de fazer, de receber os amigos do mundo, de aceitar as diferenças, de rir com elas, de demonstrar gentileza, hospitalidade e de sermos totalmente diferentes daqueles que nos comandam, pois apesar das cafajestices, desmandos, roubalheira, picaretagem e trambiques dos nossos governantes, o nosso povo sorri, chora, se emociona com o hino. O futebol nos faz isso, nos aproxima, faz com que abracemos e beijemos quem está ao nosso lado na hora do gol da nossa Seleção, sem ao menos conhecermos o amigo da cadeira ao lado.
Futebolisticamente, foi o dia mais triste que vivi em minha vida. Paralisei, fiquei estático, imóvel, sem fala, sem acreditar o que meus olhos viam. Queria que fosse sonho, mas não era, era sim um pesadelo que custou a passar e vai atrapalhar nosso sono por anos, ou quem sabe pela vida toda.
Mas não vamos por isso, deixar a nossa essência brasileira, de cantar, encantar, chorar, sorrir, de simplesmente ser brasileiro.
A sexta estrela não veio, mas ninguém apaga nossa constelação já conquistada em outrora.
Como diz o ditado: Há males que vêm pra bem. Não que uma "chinelada" dessas vai mudar nosso país, mas que possa abrir os olhos de alguns que veem o país como terra de ninguém, de desmandos e que acordemos para que possamos fazer do Brasil, o verdadeiro Brasil, daqueles em que o mundo descobriu, de gente honesta, trabalhadora, sorridente, brincalhona e que consegue fazer acontecer, bem diferente daqueles que nos comandam e dos pessimistas de plantão.
Sendo assim, todos trabalhando para que essa mudança chegue logo, ficará muito difícil tomar uma "sapecada" dessas novamente.
Foi-se, foi-se meu sono. E quem consegue dormir com um barulho desses? 
É rir para não chorar...

                                                                                                                          Jéfferson B. Cezimbra